Reflexões Sobre Consciência e Autoconhecimento

"Cada indivíduo é um microcosmo, parcialmente ciente de si mesmo; um complexo de forças inconscientes a ser ainda descobertas". Cada um de nós é um ser distinto em personalidade, com ego, alma e corpo destacando nossa individualidade, porém, em termos mais profundos nós existimos numa realidade espiritual de consciência entrelaçada numa espécie de alma coletiva, um campo de consciência que orienta nossa evolução como humanidade.


Consciência, o que é?
Nós já conhecemos muito do nível humano de nossa realidade, mas, a maioria de nós desconhece as possibilidades da consciência, ou conhece muito pouco, assim como das outras realidades astrais e espirituais.

Consciência pode ser definida como, o princípio inteligente de um sistema qualquer, que organiza uma entidade de qualquer natureza e é capaz de responder a estímulos, possuindo ou não um sistema nervoso. Pode ser uma rocha, uma bactéria, uma planta, um animal, um ser humano, um ser espiritual, um planeta e o cosmo. A consciência está no átomo, que é a unidade composta que forma todas as realidades que conhecemos. Quando um átomo é estimulado por algum tipo de radiação eletromagnética, por um laser ou luz ultravioleta, um ou mais de seus elétrons pode saltar de uma órbita para outra; se uma bactéria for "cutucada", ela responderá de várias maneiras; uma planta possui capacidade maior de respostas, o animal ainda mais e o ser humano mais ainda. Uma rocha também pode sentir quando é tocada e responder à sua maneira. Quanto mais complexo e elevado for organismo, ou sistema, mais variadas, numerosas e complexas serão as respostas a cada estímulo. Há uma relação entre a quantidade e a variedade das respostas e a quantidade e a qualidade da consciência.

Embora tudo isso nos pareça lógico e apesar de tudo o que já sabemos através das diversas ramificações das filosofias e das ciências, ainda temos muitas dúvidas e incertezas acerca de nossa realidade espiritual, humana e da consciência. Temos muito ainda para desvendar das realidades que nos rodeiam e nas quais estamos inseridos. No entanto, o que nos parece mistério é só o campo que ainda desconhecemos em torno de nós. Com a ampliação de nossas percepções através do desenvolvimento de nossos atributos psíquicos despertando outros sentidos da alma, aos poucos, nós vamos desvendando isso que ainda está no campo dos mistérios e tudo será tão comum, assim como é para nós atualmente a realidade da vida material e suas durezas, lutas, trabalho, desafios, alegrias e tudo mais.

A consciência evolui se expandindo, e ela se expande aprendendo sobre si mesma. Toda evolução é uma expansão da consciência, em quantidade e em qualidade, tornando-se cada vez mais ciente de si e de todas as realidades inferiores e superiores, até alcançar a onisciência. A consciência, portanto, aprende a evoluir. Enquanto ela dorme nos reinos inferiores da natureza, ainda o seu processo de evolução é por automatismo inconsciente, mas logo que ela acorda na humanidade a sua evolução torna-se consciente. A evolução inconsciente termina no animal irracional e instintivo, e a evolução consciente começa com o homem pensante e inteligente. Porquanto, agora a responsabilidade é toda nossa e o que escolhemos e decidimos fazer por nós e pelos outros dentro dos sistemas nos quais estamos inseridos, a família, a sociedade, a comunidade, o país e o planeta, vai repercutir em resposta direta retornando até nós com o mesmo padrão de nossas atitudes e ações, porque, todos os estímulos aos sistemas, dos mais básicos e simples até os mais elevados e complexos, repercutem em algum tipo de resposta, porque, tudo é consciência.

Autoconhecimento
Esta é uma palavra das primeiras a constar em nossa agenda de evolução. Só será possível alcançarmos aos níveis superiores da consciência, os níveis espirituais, pelo autoconhecimento. Autoconhecimento é o ato de tornar-se autoconsciente. E tudo começa pela descoberta de nosso mundo interior percebendo nossas sensações, sentimentos, emoções, mente e corpo. Por essas percepções descobrimos nossa alma, cuja podemos definir por um campo de energia consciente e inteligente que organiza e coordena as estruturas da vida, o corpo e as condições para a nossa evolução.

A alma é o ponto mais certo onde encontramos e conhecemos nossa realidade espiritual. Nela guardamos todas as experiências que nos proporcionaram os aprendizados no passado, assim como ela irradia as ponderações sobre aquilo que viemos aprender através das novas experiências na vida atual, e sinaliza através de sensações no corpo aquilo que nos faz bem ou mal. Nossa alma agora individualizada, mas não menos inserida na consciência cósmica, é o que traz toda a sabedoria que nos orienta nas escolhas mais inteligentes e produtivas para a nossa felicidade. Ela contém todo programa estipulado para a nossa evolução em cada etapa e dimensão da nossa existência, obedecendo nossa vontade e livre arbítrio. A alma é o que anima a vida transmitindo ao corpo as poderosas energias do espírito. Por isso que, quando vemos uma pessoa desanimada, sem energia, costumamos dizer que está sem alma.

A famosa frase "conhece-te a ti mesmo", inscrita no pronaos (pátio) do templo de Apolo em Delfos na Grécia antiga ainda repercute em nossa mente, como um aviso de que devemos prestar atenção em nós; que o desconhecido que procuramos lá fora está dentro de nós, mas também nos adverte dos perigos de nos perder nesse labirinto se nos deslumbrarmos demais pelo ego que se maravilha pelo poder que o conhecimento cria. Depois vem Jesus, e novamente nos adverte que será através da busca pela verdade que nos libertamos da ignorância e do sofrimento. “Conhecereis a verdade e ela vos libertará”, disse o Mestre.

Autoconhecimento é, portanto, a meta mais importante de todo ser humano enquanto evolui. A inteligência que se desenvolve enquanto aprendemos é a própria expansão da consciência. Mas inteligência maior sem qualidade melhor de consciência pode levar o ser humano a cometer as piores barbaridades. E nossa história está cheia desses episódios trágicos. Como é importante expandir a consciência também em qualidade e não só em quantidade! Qualidade de consciência significa ética. E mais uma vez temos uma advertência importante e a base de toda ética humana, quando Jesus nos instrui a amar ao próximo como a nós mesmos e só fazer ao outro aquilo que desejamos para nós mesmos. Esta instrução do Mestre fundamenta toda ética, que dá qualidade à consciência humana.

Nós já sabemos de nosso poder mental, e já sabemos do que somos capazes de criar e desenvolver através da mente aplicando nossa inteligência; agora precisamos refletir sobre as consequências de nossas escolhas e atitudes fazendo uso desse poder criativo. E isso implica conhecer nossa realidade espiritual e a consciência por trás de todos os movimentos, desde a mente na qual movimentamos nossos pensamentos e emoções, até a mente universal ou cósmica.

O autoconhecimento não vem por um pacote de informações condensadas em regras, dogmas e moralidades, como muitos difundem. Conhecer a si implica ir fundo na própria consciência e se perceber como um ser espiritual na humanidade. É preciso entrar em contato tanto com a sombra que obscurece nosso repertório passado, tanto quanto com a luz da consciência superior, o nosso eu verdadeiro. Mas quantos têm coragem de fazer esse mergulho na escuridão do que está inconsciente em si? E quantos já têm coragem de se confrontar com sua própria luz? O autoconhecimento é, portanto, um mergulho em nosso mundo interior para descobrir o que está encoberto e despertar nossas potencialidades de inteligência e consciência. Essa via tem duas mãos – numa aprendemos mais sobre o que somos, quem somos e o que podemos fazer; na outra aprendemos sobre nossa responsabilidade sobre o que escolhemos fazer. E mais uma vez nos deparamos com a advertência de que precisamos expandir a consciência tanto em quantidade quanto em qualidade, tanto em inteligência como na ética, se quisermos eliminar todo sofrimento e viver em estado de plenitude, prosperidade e felicidade.

Inteligência e Intelecto
A inteligência é da natureza em todas as suas manifestações em graus e níveis variados e distintos; a consciência evolui se expandindo pela inteligência; o intelecto aparece só no homem pensante e vem como suporte facilitando todo o processo evolutivo consciente. Mas o princípio inteligente existe em todas as manifestações da natureza – no mineral, no vegetal, no animal e no humano. Ele está no átomo. A inteligência tem sido um problema humano depois que começamos a supervalorizar o intelecto e o cérebro. O cérebro é um dos órgãos mais importantes do corpo sem dúvida alguma, porém, ele é o processador das informações, dos pensamentos, das memórias, das emoções e da consciência, mas não é o centro da inteligência e da consciência.

O intelecto é só um pacote de informações, de aprendizados e memórias, que se torna ferramenta que facilita a inteligência, mas quando o intelecto é muito desenvolvido sem humildade ele se torna o senhor da inteligência e da consciência sufocando a ambas. Então temos o ser humano intelectualizado e especializado, mas criativamente quase nulo, que se torna um repetidor de programas previamente instalados em sua mente e cérebro, um seguidor de regras e procedimentos incapaz de abrir uma lata de sardinhas sem ler as instruções do manual. Inteligência é um atributo que existe em tudo, em diferentes graus e níveis, mas que se desenvolve por aprendizados.

Sentimentos e Emoções
Os sentimentos surgem no centro cardíaco e são irradiações da alma, de emissão e recepção; as emoções são respostas aos sentimentos, que nem sempre são razoáveis se a consciência não fizer a sua parte, a de discernir sobre os sentimentos e adequar a resposta emocional mais inteligente. Quando a emoção irrompe descontrolada sem a lucidez da razão que resulta da avaliação correta do sentimento pela consciência, é como estar no lombo em pelo de um cavalo selvagem – você vai cair em poucos segundos. As emoções são uma excitação de energia a partir da parte inferior do corpo, que sobe em ondas envolvendo o coração e o cérebro; ao mesmo tempo em que o corpo é preparado quimicamente para uma ação ou reação solicitada pela mente. Emoções e sentimentos são sensações percebidas no corpo e discernidas pela mente consciente, no cérebro, porém, são distintas entre si. A maioria não sabe distinguir o que é sentimento e o que é emoção, porque o movimento da energia é tão rápido e toma todo o corpo instantaneamente fazendo com que a emoção se misture ao sentimento, formando uma só sensação no corpo. Mas, aprendendo a auto-observar-se atentamente é possível distinguir uma da outra. E a maioria ainda situa o coração como centro das emoções. Elas passam pelo coração, mas não surgem nele.

(Essas reflexões não estabelecem a verdade definitiva sobre os assuntos abordados, mas apenas a minha percepção deles).


© 2019 - Luz da Consciência